Loja 1 -  Lindóia Shopping loja 111

              (51) 3012-7206        991-716-694

whats.png
whats.png

Loja 2 - Bourbon Shopping Assis Brasil loja 10A

              (51) 3516-1461        991-727-463

whats.png

Loja 3 - Boulevard Assis Brasil loja 57

              (51) 3372-2270        999-268-802

Please reload

Posts Recentes

Meu filho não come frutas, verduras nem legumes

July 4, 2018

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Como as crianças compreendem a morte

March 26, 2018

 

Perder alguém próximo a nós é muito doloroso, mas como explicar para os pequenos o que aconteceu? Diferentemente dos adultos, as crianças tem uma compreensão distinta da morte. Este entendimento muda de acordo com a idade da criança. Por isso é importante estarmos atentos a capacidade de entendimento dos pequenos e passar gradualmente o conceito da morte de acordo com o desenvolvimento intelectual e emocional.

Até os 5 anos de idade a criança não tem noção alguma de morte, muito menos que isso é algo definitivo. Nesta idade os pequenos associam a morte a ideia de ficar só, ir para um local estranho e separar-se de pessoas que gostam.

Dos 5 aos 9 anos de idade a criança percebe a morte como algo ruim e imutável, mas entende que é algo evitável.

Então a partir dos 10 anos a criança passa a ter a capacidade de entender a morte como a inatividade do corpo e já concebe como algo inevitável.

O ambiente familiar e cultural influencia o entendimento sobre o que é a morte. Se a criança vê os adultos angustiados e tristes, logo associará a algo terrível que aconteceu ou está para acontecer.

Lembre-se, devemos levar sempre em consideração a maturidade emocional da criança na hora de abordar esse tema tão doloroso. 

Falar da morte não é criar nem aumentar a dor. Falar de morte alivia a criança e ajuda a lidar com a ausência. Se mentimos ou ocultamos, atacamos a capacidade de pensar da criança, podendo deixar marcas no seu desenvolvimento. A criança fica confusa entre o que vê (dor, tristeza etc) e o que é dito e fica triste sem saber a quem recorrer.

É preciso conversar com os pequenos de maneira simples, mas real. Não precisamos dar detalhes sobre o fato, o tom da conversa deve levar em consideração à idade da criança. Falar a verdade e ao mesmo tempo transmitir segurança é a melhor forma de lidar com esta realidade tão difícil da vida.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload